RIT TV - Mulheres vendem online para ficar perto dos filhos

23/05/2016
Jornal Toda Hora do canal RIT Notícias entrevistou especialistas da camara-e.net durante Ciclo MPE.net para falar sobre o assunto

Trabalhar em casa, participar da educação dos filhos e ainda fazer sucesso em meio à crise econômica. Hoje, para muitas mulheres isso parece impossível, mas com o comércio virtual elas descobriram que vender para outras mães pode ser um ótico negócio.

Logo após descobrir que estava grávida Daniela Cabrera percebeu (foto abaixo) que não seria nada fácil conciliar a vida de executiva de moda com a maternidade. “Eu fiquei pensando em alguma coisa que eu poderia fazer de diferente para conseguir ficar com ela, até porque eu não tenho perfil de mulher que fica em casa, eu gosto de trabalhar mesmo, então resolvi fazer alguma coisa diferente, que me desse renda.”

Para cuidar de Manuela, ela decidiu se tornar uma empreendedora digital. Abriu uma loja online para vender meia-sapatinhos, que até então não existia no Brasil, e outros acessórios personalizados para bebê. “Tem um mercado imenso, principalmente no segmento de 0 a 2 anos. Eu sempre acabo recorrendo a mães mais experientes, que tem filhos mais velhos, para poder achar as coisas, porque não é fácil”, conta.

Em 2015, o número de pessoas que abriram uma loja virtual no estado de São Paulo cresceu 89% em relação a 2014. O levantamento revelou ainda que o segmento que mais se destacou no estado foi o de artigos para bebês, que pela primeira vez ficou entre os 5 que mais venderam no ano.

Segundo o consultor da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net), Elias Júnior (foto acima), mesmo com a crise os números continuam subindo. Em relação a 2014, este ano teve 15% de crescimento e em valores ultrapassou R$ 41 bi.

"A expectativa para 2016 é que ultrapasse R$ 44 bi. Esse crescimento é um pouco menor, mas ele continua. Não pode esquecer que ano passado, mesmo com a crise o Black Friday ultrapassou em R41, 5 bi em número de vendas”, lembra ele.

E quem pensa que para abrir um negócio online precisa de muito dinheiro, está enganado. “A Loja Integrada permite que essa empreendedora integre sua loja virtual outros canais de venda como, por exemplo, um comparador de preço, um marketplace que é um shopping virtual, as redes sociais como instagram, whatsapp e etc. É aquela coisa: 24 horas por dia. Você pode estar atendendo um cliente a noite, fechando um negócio, então tem que aproveitar esses canais de comunicação”, explicou Adriano Caetano (foto acima), especialista em comércio eletrônico e diretor da Loja Integrada.

O sucesso é comprovado. Apesar da crise no ano passado, as 5 maiores lojas online de produtos para bebês faturaram mais de 13 bilhões de reais. Em menos de dois anos a marca da Daniela cresceu tanto que ela já investe em novos desafios: “Tem muita gente que pergunta se vendemos para fora do país. É um percentual pequeno, mas nós pensamos em ampliar a marca sim”, conta ela. E o melhor de tudo isso é que a pequena Manuela pode acompanhar de perto o sucesso da mãe.

 

A reportagem completa você confere aqui: https://www.youtube.com/watch?v=0S7S0GwJ5E8

Fonte: Jornal Toda Hora


Flicker
  • Redes sociais
Realização
Realização Camara-e.net
Apoio
Sebrae
Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net) | CNPJ: 04.481.317/0001-48
Edifício Higienópolis Offices Tower - Av. Angélica, 2.503 - 5 andar, sala 56, 01227-000 - Consolação - São Paulo/SP
Contato: (11) 3237-1102 | E-mail: info@camara-e.net
2018 - Todos os direitos reservados
  • Patrocínio Master
  • Realização