Clipping - Não deixe a segurança de lado na hora de comprar pela web - Diário de Pernambuco

29/07/2014
No ano passado, 9,1 milhões de brasileiros fizeram compras pela internet pela primeira vez. É preciso analisar com cuidado os sites.

Victor Hugo compra de tudo pela web, de computadores a ingressos para show e cinema. O celular novo também foi adquirido pela internet. Foto: Allan Torres/Esp. DP/D.A Press

O comércio eletrônico brasileiro não conhece tempo ruim. De acordo com a edição 2014 relatório WebShoppers, 9,1 milhões de pessoas fizeram compras online pela primeira vez no ano passado. Atualmente, o número de consumidores virtuais no Brasil é de 51,3 milhões de pessoas. Bom para os varejistas, que têm mais um canal de vendas disponível, e para os consumidores, que ganham mais opções de compra. Mas a segurança é um fator que nunca deve ser deixado de lado na hora de comprar pela internet.

“O crescimento acelerado do mercado trouxe muitas vantagens, mas o consumidor deve sempre ficar de olho nas ofertas oferecidas e nos sites que visita”, lembra Gerson Rolim, diretor de comunicação da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net). Uma dica simples é verificar se a loja virtual possui um pequeno cadeado no lado esquerdo superior do nagevador, próximo das letras “https”. “O cadeado indica que o site está protegido contra o ataque de hackers que possam tentar roubar dados de clientes”, explica Rolim.

O vendedor Victor Hugo é um dos que seguem essa dica de Rolim. Ele fez sua primeira compra online – um laptop – há cinco anos. Desde então, não parou mais. “Hoje compro de tudo. Computadores, roupas, sapatos livros, ingressos para shows e cinema. Meu celular novo eu também comprei pela internet.” Victor Hugo prefere comprar pela web por conta da variedade de opções. “Tenho acesso a várias opções de produtos sem precisar me deslocar de loja em loja. A praticidade é maior.”

A estudante Iana Albuquerque também incluiu as compras online na rotina. “Costumo comprar mais produtos de beleza, como maquiagem”, conta a estudante. “É muito prático, consigo comprar tudo sem sair de casa. Não preciso enfrentar trânsito nem pegar filas.” Para se sentir segura, Iana compra num único site, que ela já conhece a procedência e confia.

Pesquisa

Mesmo se tratando de lojas consideradas grandes e conhecidas, é bom tomar cuidado. “O consumidor deve pesquisar o máximo de informações possíveis sobre a loja antes de efetuar a compra”, afirma Rolim. Ele recomenda que o comprador visite o site Reclame Aqui, que reúne reclamações de clientes sobre serviços e produtos comprados. O site também permite que a empresa dê uma resposta ao cliente na própria página.

Em junho, o governo federal lançou o Consumidor.gov.br, que está em fase beta e funciona de forma parecida ao Reclame Aqui. Também existem sites como Mercado Livre e Bom Negócio, que não vendem os produtos, mas servem de canal para que o comprador encontre o vendedor. Nesses serviços, a dica de Rolim é ficar atento ao ranking dos vendedores. “Quem compra pode avaliar a experiência da compra e deixar comentários. Vale a pena procurar com cuidado e ter paciência.”

E se o consumidor desistir da compra? O Código de Defesa do Consumidor garante o direito de arrependimento. “São até sete dias que o consumidor tem para se arrepender da compra, formalizar o cancelamento e fazer a devolução”, explica Rolim. O relacionamento da loja com o cliente no período de pós-venda deve ser levado em consideração, pois demonstra o compromisso da empresa com a satisfação do cliente desde a escolhe do item no site até o recebimento em casa.”

Fonte: Diário de Pernambuco


Flicker
  • Redes sociais
Realização
Realização Camara-e.net
Apoio
Sebrae
Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net) | CNPJ: 04.481.317/0001-48
Edifício Higienópolis Offices Tower - Av. Angélica, 2.503 - 5 andar, sala 56, 01227-000 - Consolação - São Paulo/SP
Contato: (11) 3237-1102 | E-mail: info@camara-e.net
2018 - Todos os direitos reservados
  • Patrocínio Master
  • Realização